Cheirando Café


sábado, 11 de setembro de 2010

Sou animal Arisco

...

Sentia-me calmo, protegido, assustei-me...
Perdi, viciadamente, a confiança
olho para uma espécie de espelho?

Fugi ....
... num desejo, ... vendado, voei
em melodias de piano que tocavam espectros de luz a milhares de distancias e possibilidades...

e que me tocavam também, bem fundo, quase que abissalmente
é como se deitasse a mão por dentro,
só lançava, não conseguia mirar – ali, estava - num desmedido intenso,
sentia, sentia, sentia ...

de repente,ouvia-se em todo mim, bem grande,
um grito, urro, rugido, berro, de fúria, aborrecimento, desencontro!

...cedros-brancos, azáleas, hortênsias, gardênias, camélias, prímulas, e umidade se misturavam às minhas lágrimas, que ao invés de cair, voavam, coloridas, gota a gota, e se perdiam ...

Eu caminhava no bosque da minha alma.

...

Um comentário:

tempoesentimentos disse...

Lindo Allan!

Devias escrever mais assim... ou assado...